Imagens engraçadas

Animais estranhos empalhados

Animais estranhos empalhados

Animais estranhos empalhados

Vejam essa bizarrice. Uma grande seleção de fotos de vários animais estranhos e engraçados empalhados. Eu não gostaria de conhecer essa galeria. Não mesmo!

Animais estranhos empalhados

Animais estranhos empalhados

animais estranhos empalhados 4

animais estranhos empalhados 5

animais estranhos empalhados 6

animais estranhos empalhados 7

animais estranhos empalhados 8

animais estranhos empalhados 10

animais estranhos empalhados 11

animais estranhos empalhados 12

animais estranhos empalhados 13

animais estranhos empalhados 14

animais estranhos empalhados 15

animais estranhos empalhados 16

animais estranhos empalhados 17

animais estranhos empalhados 18

animais estranhos empalhados 19

animais estranhos empalhados 20

animais estranhos empalhados 21

animais estranhos empalhados 22

animais estranhos empalhados 23

animais estranhos empalhados 24

animais estranhos empalhados 25

animais estranhos empalhados 26

animais estranhos empalhados 27

animais estranhos empalhados 28

animais estranhos empalhados 29

animais estranhos empalhados 30

animais estranhos empalhados 31

animais estranhos empalhados 32

animais estranhos empalhados 33

animais estranhos empalhados 34

animais estranhos empalhados 35

animais estranhos empalhados 36

animais estranhos empalhados 37

animais estranhos empalhados 38

animais estranhos empalhados 39

animais estranhos empalhados 40

Curiosidade:

A taxidermia – nome técnico do empalhamento de animais – é um sofisticado processo onde só a pele do animal é aproveitada. O couro é usado para “vestir” um manequim de poliuretano, parecido com esses que a gente vê nas vitrines de lojas. No passado, porém, não era assim. O animal era aberto, suas vísceras retiradas e, no lugar delas, era colocado algodão, juta ou palha – daí a palavra empalhamento, hoje fora de uso.

O “empalhamento” de um animal deve começar até 24 horas após sua morte. Depois desse tempo sua carne começa a apodrecer

1. O primeiro passo é fazer uma máscara mortuária de gesso do bicho. Ela fornece uma imagem tridimensional da cara do animal e é uma cópia perfeita de suas feições, mostrando todos os detalhes de seu rosto

2. Em seguida, com uma fita métrica, o taxidermista tira as principais medidas do animal, como a circunferência do abdome, o comprimento total do nariz à cauda, a largura da cabeça e a distância do nariz ao olho, entre outras

3. Com uso de arames e apoios, o animal é congelado na posição em que será “empalhado”. Quando ele estiver durinho e na postura correta, é hora de fazer uma cópia do corpo numa fôrma de gesso

4. A partir do molde de gesso, é feito outro molde de resina. Ele será empregado na fundição do manequim de poliuretano. Se necessário, o taxidermista esculpe detalhes finais na peça, que será vestida com a pele depois

5. Paralelamente à fabricação do manequim, é feita a retirada da pele, única parte aproveitada – órgãos e carcaça são descartados. Retirado o couro, ele é curtido em banhos ácidos que dissolvem resquícios de sujeira e gordura, evitando que apodreça

6. O passo seguinte é a retirada da endoderme, uma fina membrana interna colada à pele. Feito isso, o couro é banhado com um produto químico preservativo e é engraxado para ganhar flexibilidade

7. Olhos, nariz, orelhas, boca, língua e até a cauda são de mentira. Os olhos são feitos de vidro, a cauda, de poliuretano flexível, e as orelhas, nariz e língua, de plástico poliestireno. Todas essas próteses são fixadas no manequim antes da pele

8. A etapa final é vestir o manequim com a pele. Ela é encaixada e fixada com uma cola especial. Depois, é costurada. Os pontos são dados em locais de difícil visualização, como na parte inferior da barriga, para que o bicho pareça o mais real possível. Fonte

Artigos relacionados

Deixe um comentário!

Botão Voltar ao topo