Curiosidades e variedades

A origem da pinga e aguardente de cana

A origem da pinga e aguardente de cana

A origem da pinga e aguardente de cana ninguém sabe, mas diz uma lenda que antigamente, no Brasil, para se ter melado, os escravos colocavam o caldo da cana-de-açúcar em um tacho e levavam ao fogo. Não podiam parar de mexer até que uma consistência cremosa surgisse. Porém um dia, cansados de tanto mexer e com serviços ainda por terminar, os escravos simplesmente pararam e o melado desandou.
O que fazer agora?

A saída que encontraram foi guardar o melado longe das vistas do feitor. No dia seguinte, encontraram o melado azedo fermentado. Não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram os dois ao fogo.

Resultado: o ‘azedo’ do melado antigo era álcool que aos poucos foi evaporando e formou no teto do engenho umas goteiras que pingavam constantemente. Era a cachaça já formada que pingava. Daí o nome ‘PINGA‘.

Quando a pinga batia nas suas costas marcadas com as chibatadas dos feitores ardia muito, por isso deram o nome de ‘ÁGUA-ARDENTE‘.

Caindo em seus rostos escorrendo até a boca, os escravos perceberam que, com a tal goteira, ficavam alegres e com vontade de dançar. E sempre que queriam ficar alegres repetiam o processo.

Não basta beber, tem que conhecer!

E você achava que só via merda aqui hein! O Loxa também é cultura! ^^

Mostrar mais

Um Comentário

  1. É só lenda, pois a aguardente já existia em Portugal, antes do descobrimento do Brasil, destilada do bagaço de uva, aqui como não tinha o bagaço de uva, mas o de cana, ai foi usado esse. O primeiro engenho de cana foi Martin Afonso de Souza e mais alguns sócios que montaram em São Vicente, existem ainda as ruinas desse engenho chamado de São Jorge dos Eramos, que agora fica em Santos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo